9 de abril de 2010

Presença online: informação, comunicação ou negócio?

Um cliente que já tem presença em uma rede social na internet me pediu para criar um blog para a sua empresa. Logo depois, um micro-blog (isso mesmo - um Twitter), até porque ambos estão na moda. Logo depois ele argumentou que blogs, micro-blogs, redes sociais demandam tempo para manter com novidades atualizadas, e nem sempre isso gera receita direta. Redes sociais, blogs são veículos para obter opiniões ou distribuir informações e isso não significaria, a princípio, maior faturamento no final do mês.

Eu particularmente penso que ações de marketing online deveriam ser integradas; a empresa de meu cliente deveria aproveitar a mídia tradicional (cartazes, por exemplo) e divulgar a existência dessas ações online (rede social, blog e microblog).

A partir daí outras ações poderiam ser iniciadas para divulgar o que a empresa faz de melhor. Por exemplo, criar uma promoção do tipo "faça de um amigo um cliente e ganhe 50% de desconto na mensalidade do próximo mês" sendo que o acesso ao  micro/blog seria o passaporte de acesso a promoção.

Penso que o papel dessas redes de comunicação digitais (novamente, micro/blogs, redes sociais) não é muito diferente das mídias anteriores, "analógicas": comunicar. Através de uma carta, telefonema, formulário de opinião, a empresa pode obter informações relevantes para no mínimo, continuar a se manter na sua posição de mercado ou aumentar seu faturamento ao longo do tempo.

Imagine que esse meu cliente de sucesso não possui processos padronizados para entrega de serviços ou produtos aos clientes. Traduzindo: cada funcionáriio ou prestador de serviço fornece as coisas a sua moda - uns melhores, outros piores que os demais colegas (e isso ocorre normalmente na maioria das empresas que não são franquias).

Moral da história: bons profissionais vão para a concorrência que possui processos padronizados, enquanto profissionais que eventualmente deixam a desejar acabam entrando com frequência além da desejável.

O que quero dizer é que os sistemas que norteiam as ações dos funcionários - e de tabela os serviços ou produtos de qualquer empresa - devem ser padronizados a fim de garantir a qualidade do que se está oferecendo ao público. E não é preciso ir muito longe nem gastar rios de dinheiro com consultores e empresas especializadas para criar esses "modelos ideais de excelência": a prata da casa pode fornecer a receita deste bolo - com certeza há pelo menos um funcionário ou prestador de serviço que trabalha com a excelência desejada pelos clientes.

Esses funcionários podem servir de modelo para padronizar os sistemas de entrega de serviços e produtos. Isso vale para uma escola, um restaurante, um clube... enfim, é uma idéia simples e aplicável, se houver visão e decisão política dos gerentes da empresa.

Repare que comecei a falar prsença online e terminei com exemplos que no fim das contas podem aumentar o faturamento de meu cliente. E tudo isso começa com uma coisa simples: opinião dos clientes sobre o que essa empresa já faz: como os serviços ou produtos são entregues no dia-a-dia. Opinião que pode vir através das ações de presença online(o blog, microblog ou rede social).

Redes sociais, micro/blogs dão retorno sim, quem disse que não?

0 comentários neste post

Postar um comentário

Atenção comentarista!
  • Todos os comentários serão rigidamente moderados;
  • Identifique-se! Comentários anônimos não são recomendados;
  • Comentários com três ou mais links serão removidos;
  • Comentários escritos em miguxês ou excesso de gírias serão removidos;
  • Comentários escritos com predominância de maiúsculas serão removidos;
  • Por favor, prove que você é coerente, educado e bem informado: conheça o restante do site, saiba quem somos, sobre o que, para quem e como escrevemos antes de comentar futilidades;
  • Respeite as opiniões dos autores e dos outros comentaristas. Seja breve e sem ofensas;
  • Escreva comentários relevantes e que contribuam de alguma forma para o bem da humanidade;
  • Não seja um inútil social. Lembre-se que o mundo não gira ao seu redor.