22 de dezembro de 2006

Ano novo e PC velho

Em pleno início da era Windows Vista e enquanto ocorrem diversas discussões sobre a inferioridade do hardware e do software da maioria dos computadores vendidos no Brasil nos últimos anos, a Steam divulga pesquisa com gamers do mundo inteiro demonstrando que no resto do mundo as coisas estão bem melhores.

Que nossos PCs estão ultrapassados, nós já sabemos, afinal, no mundo da informática, aquilo que é novidade hoje, normalmente deixa de ser daqui a 3 semanas ou menos. Ou seja, se você comprou ou montou seu PC a mais de 3 semanas ele já pode ser considerado um “pré-adolescente”, e com certeza daqui a 1 ano ele será um “vovô”!

Comparações à parte o fato é que a média das configurações dos PCs vendidos no Brasil estão muito abaixo dos vendidos em outros países, principalmente Europa, EUA e Ásia. Se levarmos em conta o “PC para Todos”, projeto do governo para incentivar a inclusão digital, nosso hardware é um dos mais ultrapassados do mundo.

É fácil verificar que praticamente 100% dos “PCs para todos” não tem todos os requisitos mínimos para rodar o Windows Vista e a maioria está no limite mínimo para rodar adequadamente até mesmo o Windows XP e todos os recursos disponíveis neste S.O. Está chegando no mercado uma gama enorme de novas versões dos softwares mais populares que contribuirão ainda mais para tornar bastante desatualizado estes PCs vendidos nos grandes magazines por volta de R$1.300,00.

Tudo bem que o hardware inferior ajudou a baixar muito os preços dos computadores e torná-los accessíveis, mas se não fosse a “lerdeza” dos nossos governantes, o projeto já estaria acontecendo a mais tempo. Já passou da hora de os técnicos do governo rever as especificações. Mas, será que eles entendem realmente disso?

-”Uma pesquisa divulgada recentemente indicou que nos EUA comparado aos conhecimentos dos jovens sobre tecnologia, os políticos, entre eles os legisladores ainda estão na idade média.” Se é assim lá, imagine aqui? Notícias recentes já demonstraram os estranhos projetos de lei de nossos queridos e ociosos parlamentares em relação à informática e a Internet…

Felizmente em uma boa parte destes PCs é possível fazer alguns upgrades como aumentar a quantidade de memória, o espaço em H.D. e acrescentar uma placa de vídeo mais poderosa, requisitos essenciais para rodar o Vista, a maioria dos jogos e os softwares mais modernos. Boa notícia para os técnicos!

Mas essa possibilidade de upgrade diminui bastante quando falamos dos “notebooks populares” cujos anúncios e vendas quadruplicaram nos últimos meses. Nesse tipo de plataforma os upgrades são muito limitados e quem está comprando agora esse tipo de equipamento inferior que custa na faixa dos R$2.500,00 poderia comprar um PC (quase) top de linha pelo mesmo preço.

Aquecendo mais as notícias temos a briga software livre x Microsoft ABES, a representante dos fabricantes de software proprietário, junto com outras instituições similares tem brigado bastante com o governo, divulgando pesquisas, notícias em sites importantes e até ofendendo os técnicos para permitir que o “PC para pobre todos” receba mais subsídios e que possa ter o Windows instalado para diminuir a pirataria, conforme pesquisa contratada por ela.

Pretende-se com isso que, na revisão do programa “PC para Todos” o governo passe a subsidiar Sistemas Windows também. Só que, para atender às regras do programa federal será necessário usar o Windows Starter Edition. Traduzindo: Microsoft incentivando a pirataria e ganhando dinheiro com isso! Os visionários do time do Pingüim diriam então que Linux é a solução. Mas quem conhece meia dúzia de usuários iniciantes que conseguem usar adequadamente aqueles sistemas GNU que vem instalados nos “PCs para Todos”, que atire a primeira pedra.

Principalmente aqueles que fizeram os famosos “cursinhos meia boca ou de fundo de quintal” que preferem gastar mais em propaganda no horário nobre da TV do que em material didático de qualidade e acabam incentivando seus alunos a usar software pirata já que a maioria prega que software bom é software caro. “Professores” desses cursinhos que participaram recentemente em um processo seletivo que coordeno me disseram que não existe OpenOffice em português ou que ele só funciona em Linux.

O Ricardo Bánffy deu uma esclarecedora visão sobre S.O. proprietário x sistemas livres no Brasil, neste artigo.

Bom, você deve estar achando estranho eu chamar nosso hardware tupiniquim de inferior. Então lá vão as provas: a Steam, que distribui jogos de vários tipos, inclusive títulos conhecidos como “Half Life2” e “Call of Dutty” está divulgando dados de uma pesquisa realizada com mais de 570.000 de seus usuários (incluindo Eu sobre os seus sistemas.

Veja um resumo com dados mais relevantes abaixo:
  • 69,60 % dos pesquisados tem conexão com a Web de 2.048 Mbps ou mais;
  • 66,26 % têm 512 MB ou mais de memória RAM;
  • 49,12 % têm processadores de mais de 2GHz;
  • 93,27 % tem placas aceleradoras 3D, dessas, 84,63 % tem 128 MB de VRAM ou mais;
  • 88.46 % usa Windows XP com SP2.
Logicamente, devemos levar em consideração que a pesquisa foi feita com gamers, que normalmente tem máquinas mais “parrudas”, mas mais uma vez comparando com Brasil: quantas LANhouses você já freqüentou por aqui que oferecem essas características aos seus clientes?

Aqui você tem a pesquisa completa…

0 comentários neste post

Postar um comentário

Atenção comentarista!
  • Todos os comentários serão rigidamente moderados;
  • Identifique-se! Comentários anônimos não são recomendados;
  • Comentários com três ou mais links serão removidos;
  • Comentários escritos em miguxês ou excesso de gírias serão removidos;
  • Comentários escritos com predominância de maiúsculas serão removidos;
  • Por favor, prove que você é coerente, educado e bem informado: conheça o restante do site, saiba quem somos, sobre o que, para quem e como escrevemos antes de comentar futilidades;
  • Respeite as opiniões dos autores e dos outros comentaristas. Seja breve e sem ofensas;
  • Escreva comentários relevantes e que contribuam de alguma forma para o bem da humanidade;
  • Não seja um inútil social. Lembre-se que o mundo não gira ao seu redor.