31 de maio de 2006

Vícios, vícios e virtudes

Salas de aula são excelentes laboratórios de aprendizado e também de pesquisas paralelas, tanto para os alunos participantes quanto para o próprio professor. Nestas últimas semanas antes da copa do mundo e às vésperas das eleições, decidi fazer umas pesquisas para saber como anda a cybercultura de meus alunos. Ou seriam cobaias?

Ambiente de experimentação

Para fazer esta pesquisa, antes de cada aula montei no laboratório de montagem e manutenção, 4 computadores configurados para acessar a Internet livremente e coloquei a página institucional da escola como default.. Quando as cobaias (Oops!); os alunos chegaram pedi que formassem duplas e passei tarefas bem comuns para eles, tipo: colocar computador para funcionar, montar computadores, instalar Windows, etc.

Em nenhum momento citei que os 4 computadores estavam disponíveis para uso deles. Apenas acessei um, logo no início da aula, para que eles percebessem que estavam funcionando e com acesso à Internet. Voltei para o meio da sala e me passei por distraído…

Resultados preliminares

A pesquisa foi feita com dois grupos de certificação em montagem e manutenção. Um já quase terminando e outra bem no meio do curso. Levando-se em conta que cada grupo tem em média 10 participantes, sendo apenas duas mulheres, obtive essas médias:
  • 8% dos homens nem se interessaram em mexer nos micros e continuaram suas tarefas;
  • 4% dos homens mexeram nos computadores rapidamente, mas olhando pra mim, talvez com medo de estar fazendo o que não devia, depois voltaram às tarefas;
  • 100% das mulheres mexeram nos computadores e acessaram o Orkut de cara;
  • 50% dos homens foram pelo mesmo caminho;
  • 35% dos homens acessaram um site de fotolog;
  • 1% acessou um site de charges animadas;
  • 30% acessou logo em seguida o seu e-mail;
  • 10% responderam e-mails;
  • 20% tentaram acessar o MSN, mas descobriram que estava bloqueado. Alguns me pediram para desbloquear!
  • 1% acessou logo em seguida o site da novela “Rebeldes”;
  • 85% dos que acessaram a Internet tinham dúvidas para executar as tarefas;
  • 70% dos que acessaram a Internet não cumpriram as tarefas completamente;
  • 100% dos que acessaram a Internet, chamaram os outros para ver alguma coisa inútil que acharam lá;
  • 0% acessou algum site de conteúdo técnico para tentar resolver as tarefas ou por qualquer outro motivo.
Após eu bloquear o acesso à Internet de todos, desligando o switch sem que eles percebessem, afinal estavam todos muito ocupados:
  • 20% fingiram voltar às tarefas;
  • 15% continuaram com as tarefas sozinhos, sem o companheiro de dupla;
  • 15% foram conversar algum assunto sem interesse do curso, abandonando as tarefas;
  • 40% vieram reclamar comigo que a Internet estava ruim;
  • 9,5% queriam sair do curso porque a Internet da escola é uma porcaria, cai toda hora;
  • 0,5% saíram para beber água e não voltaram mais.

Conclusão

Os que realmente me preocuparam foram os 8% quem não se interessaram em acessar a Internet. Seriam eles os famosos excluídos digitais?

Cada um que tire a sua, mas que a coisa está feia, está!

0 comentários neste post

Postar um comentário

Atenção comentarista!
  • Todos os comentários serão rigidamente moderados;
  • Identifique-se! Comentários anônimos não são recomendados;
  • Comentários com três ou mais links serão removidos;
  • Comentários escritos em miguxês ou excesso de gírias serão removidos;
  • Comentários escritos com predominância de maiúsculas serão removidos;
  • Por favor, prove que você é coerente, educado e bem informado: conheça o restante do site, saiba quem somos, sobre o que, para quem e como escrevemos antes de comentar futilidades;
  • Respeite as opiniões dos autores e dos outros comentaristas. Seja breve e sem ofensas;
  • Escreva comentários relevantes e que contribuam de alguma forma para o bem da humanidade;
  • Não seja um inútil social. Lembre-se que o mundo não gira ao seu redor.